Aneurisma – Tratamento e Sintomas

Para compreender assuntos é necessário saber que existem dois tipos de Aneurisma.
Aneurisma Cerebral e aneurisma da Aorta.

Aneurismas arteriais são caracterizados pela dilatação de uma artéria em uma vez e meia seu diâmetro normal. O sítio mais comum de aneurisma é aorta abdominal. O conhecimento desta patologia vascular é de fundamental importância frente as suas possíveis complicações como ruptura, trombose e embolização distal.

Os aneurismas pode ser classificados como saculares, fusiformes e pseudo-aneurismas.

Os pseudo-aneurismas são formações saculares formada geralmente por lesão arterial e contenção do hematoma pelos tecidos, mantendo fluxo em seu anterior.

A obstrução venosa

A idade é fator diretamente proporcional para o desenvolvimento de aneurismas, tanto em homens como em mulheres. A hipercolesterolemia, a hipertensão e a presença de doença arterial obstrutiva crônica estão moderadamente associadas ao desenvolvimento de doença aneurismática. Apesar de não haver, até o momento, uma definição de alteração genética específica e padrão genético de herança, pacientes com história familiar positiva apresentam maior risco de desen- volver aneurismas de aorta abdominal, sendo essa associação estatística muito maior quando observamos pacientes com aneurisma e faixas etárias menores.

O diabetes não é considerado fator de risco para o desenvolvimento de aneurisma de aorta; aliás, está associado negativamente ao desenvolvimento de aneurisma aórtico, independentemente do sexo. À exceção dos aneurismas de artéria eslplênica, esta doença acomete mais comumente pacientes do sexo masculino.



Proporção aproximada da incidência de aneurismas em homens e mulheres
Localização do aneurisma Proporção
homens:mulheres
Artéria esplênica 1:4
Artéria hepática 2:1
Artéria carótida 2:1
Artéria ilíaca 7:1
Artéria poplítea 19:1
Aorta abdominal 4:1
Aorta torácica 4:1

Aneurismas isolados de artéria ilíaca sem aneurisma de aorta abdominal são raros.
São de difícil diagnóstico precoce, devido a posição profunda na pelve os torna praticamente indetectáveis ao exame físico. A artéria ilíaca comum é a mais frequentemente acometida, seguida da artéria ilíaca interna.

Grande parte dos pacientes com aneurisma de artéria poplítea obtém seu diagnóstico em razão de um episódio agudo de isquemia de membro em decorrência de embolizações e trombose do aneurisma.

Outros sintomas da Aneurisma

Apesar de pouco frequentes, também podem ser encontrados, como sintomas de compressão local (de estruturas nervosas e venosas) e ruptura. A ocorrência de sintomas está relacionada com o tamanho (diâmetro) do aneurisma poplíteo, uma vez que aneurismas  maiores  apresentam maior chance de possuir trombos em seu interior. Aneurismas de artéria poplítea com mais de 2cm de diâmetro necessitam de intervenção cirúrgica.

Quando o tratamento de aneurisma é indicado?

Existe a indicação de cirurgia para os aneurismas de aorta abdominal quando eles forem sintomáticos ou apresentarem diâmetro maior que 5,5cm, além do diâmetro, outros fatores são considerados como contribuidores para o risco de rotura, conforme observado em diversos estudos.

São eles: a existência de doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC), a hipertensão, a assimetria do saco aneurismático, o sexo feminino e o tabagismo. A história familiar parece também influir no risco de rotura, sendo proporcional ao número de parentes de primeiro grau acometidos por aneurismas aórticos de abdome.

Os aneurismas de aorta abdominal podem ser tratados cirurgicamente com a interposição de enxerto sintético ou com a técnica endovascular com a utilização de endopróteses.

Os aneurismas toracoabdominais são aqueles que acometem os ramos viscerais da aorta, a cirurgia para correção de aneurisma toracoabdominal exige reimplante das artéria viscerais.

Para auxiliar no planejamento cirúrgico foi criada uma classificação dos aneurismas toracoabdominais de acordo com a região da aorta acometida.

Ilustrando a classificação de Crawford, modificada por Safi
Classificação do
aneurisma
Incidência segundo estatística de Mariño et al. Descrição Ilustração esquemática
Tipo I 14% Envolvimento de toda aorta torácica descendente, desde a emergência da artéria subclávia esquerda até a região na qual se originam as artérias viscerais
Tipo II 11% Início a partir da artéria subclávia esquerda, acometendo toda a aorta torácica descendente e abdominal, até sua bifurcação
Tipo III 20% Acometimento da aorta torácica descendente, desde o sexto espaço intercostal (EIC) até abaixo das artérias renais
Tipo IV 40% Comprometimento da aorta abdominal, desde o tronco celíaco, envolvendo a porção aórtica, na qual se originam as artérias viscerais
Tipo V 15% Envolvimento da aorta torácica descendente, desde o sexto espaço intercostal até as artérias renais

Os aneurismas micóticos verdadeiros são aneurismas provenientes da infecção bacteriana da parede arterial, geralmente em pacientes portadores de endocardite bacteriana.

Os artigos desta página foram escritos pela equipe médica EndovascularSP e o conteúdo tem caráter informativo. Caso os médicos Endovasculares não tenham abordado algum assunto do seu interesse, clique aqui e envie uma mensagem.


Clínica Endovascular SP
Avenida Pacaembú 1882, CEP: 01234-000
São Paulo/SP -Tel: (11) 98161.4443




Clínicas
| Médicos | Especialidades | Tratamentos | Doenças vasculares | Fale com

https://www.facebook.com/EndovascularSP
by Convert mkt