Artigos

Síndrome de May-Thurner

A síndrome de May-Thurner, também conhecida como síndrome de compressão da veia ilíaca ou síndrome de Cockett, afeta dois vasos sanguíneos que vão e vêm das pernas: artéria e veia ilíaca. 

 

Nossos vasos sanguíneos transportam sangue para todas as partes do nosso corpo. Nossas artérias movem o sangue para longe do seu coração levando oxigenação e vida, e nossas veias o trazem de volta o sangue para ser oxigenado no pulmão/coração novamente. Às vezes, artérias e veias se cruzam. 

O cruzamento desses vasos sanguíneos é anatomicamente normal. Mas na síndrome de May-Thurner, a artéria ilíaca direita aperta a veia ilíaca esquerda quando elas se cruzam na pélvis (em frente a coluna lombar). Por causa dessa pressão, o sangue pode não fluir tão livremente pela veia ilíaca esquerda. Uma boa analogia: é um pouco como pisar parcialmente em uma mangueira. Essa pressão, que acontece contra a coluna lombar, acaba bloqueando o fluxo sanguíneo da região de forma parcial ou total.

img

Como a veia e a artéria são muito próximas, uma leve compressão ocorre naturalmente nas pessoas (assintomáticas). Mas em alguns casos, essa compressão é significativa, podendo levar a sintomas específicos.

 

Estima-se que 20% a 30% da população possui essa compressão, mas nem todos apresentam sintomas.

 

Implicações e sintomas da Síndrome de May-Thurner / Cockett

Quando a compressão é excessiva, pode provocar maior dificuldade no retorno venoso da perna esquerda, contribuindo para o aparecimento de varizes ou trombose venosa profunda. É interessante lembrar que uma das consequências da trombose venosa profunda não tratada é a embolia pulmonar, uma condição de saúde gravíssima que pode levar à morte.

 

A síndrome de May-Thurner /Cockett também pode causar lesões na parte interna da veia (endotélio), facilitando assim a manifestação da trombose. E em algumas situações um aumento de pressão nas veias pélvicas levando as varizes pélvicas. 

Varizes Pélvicas estão muito relacionadas com a Síndrome de May-Thurner, e nessa apresentação a paciente pode apresentar além de dor e edema na perna, dor na pélvis no período menstrual e até durante a relação sexual.

Sintomas do Síndrome de May-Thurner

Muitas pessoas não sabem que são portadoras desta condição, por isso muitas vezes a identificação acontece somente após um quadro de trombose venosa profunda. Alguns sinais podem auxiliar no diagnóstico:

 

  • Varizes nas perna esquerda mais avançadas que na perna direita
  • Edema no membro inferior esquerdo
  • Sensação de peso e latejamento no membro inferior esquerdo
  • Trombose venosa profunda extensa no membro inferior esquerdo
  • Dor para ter relação sexual (principalmente no final da relação)
  • Recidiva de varizes ou quadros graves apenas na perna esquerda

 

Podemos observar que são situações extremamente delicadas, pois acabam reduzindo drasticamente a qualidade de vida do paciente.

Perfil do Paciente e Diagnóstico

O perfil mais comum de pacientes com síndrome de May-Thurner /Cockett

 

  • Sexo feminino
  • Gestação prévia
  • Usa anticoncepcional oral
  • Possuem alguma condição que faz com que seu sangue coagula demais (trombofilia)

 

Calcula-se que cerca de 70% dos pacientes portadores da Síndrome são mulheres, entre 20 e 50 anos. 

 

O diagnóstico é concluído através da junção de resultado de exames e sintomas frequentes, visto que muitas pessoas possuem a compressão da veia e artéria sem nenhuma implicação ou diminuição do seu bem-estar. Nesses casos, que são chamados de Fenômenos da Síndrome de May-Thurner / Cockett, não há a necessidade de tratamento, apenas de um acompanhamento médico.

 

Os exames que auxiliam na identificação da condição de saúde são: 

  • Ultrassom Eco Doppler, 
  • Venografia (ou flebografia),
  • Angio-Tomografia Pélvica com Fase Venosa 
  • Angio-Ressonância Magnética pélvica.
  • Ultrassom intravascular (IVUS)

Tratamento

 

O tratamento pode ser realizado via endovascular. Através de um procedimento chamado Angioplastia Venosa, é realizada a dilatação do local e implantado um stent venoso para manter a veia aberta, permitindo assim um maior fluxo sanguíneo.  



Trata-se de uma alternativa moderna, segura, bastante eficaz e que permite ao paciente uma rápida recuperação.

Quando há trombose venosa profunda, se faz necessário o tratamento de terapia trombolítica para a redução e/ou retirada dos coágulos.

 

Caso apresente os sintomas citados acima, procure um cirurgião vascular para uma avaliação.

Lembre-se que o tratamento precoce e correto previne situações mais graves, além de proporcionar maior qualidade de vida!

 

 

vascular, Arterias, Trombose

Cirurgia Vascular e Endovascular
Doutorado e Pós-doutorado USP
MBA - University of Pittsburgh / Katz
Pós-graduação em Liderança - Harvard Medical School

Atendimento

Além do atendimento particular, atendemos aos clientes de Planos de Saúde no formato Credenciado e também de Livre Escolha, que é uma nova forma fácil e prática para você ser atendido sem burocracia. Experimente!
Credenciado
Livre escolha: Fácil e Prático

Consulta Online

Consulta por video-chamada. Saiba como funciona:
Agende um horário pelo site, telefone ou whatsapp e efetue o pagamento da consulta
Na data e horário agendado você receberá o link da Saudevianet via e-mail ou Whatsapp
Ao final do atendimento você receberá via e-mail as prescrições, receitas e atestados
Consulta com direito a retorno online ou presencial no período de 30 dias

Localização

Av. República do Líbano, 314, Jd Paulista - SP

Ver mapa

Rua dona Adma Jafet, 74 - Cj. 64, Bela vista

Entre em contato

(11) 3168-0609 / 3078-1530 / 3078-4476

(11) 98161-4443

Concierge: (11) 91065-1958

Referência no tratamento de doenças vasculares de alta complexidade.

Os Tratamentos

© Grupo Endovascular - Todos os direitos reservados

Site desenvolvido por Glogs - Agência Digital